Telefone : (62) 3285-3658 / Email : secretaria@omnieducacional.com.br

Textos e atividades

O Papel do Fonoaudiólogo na escola

15/02/2016

O PAPEL DO FONOAUDIÓLOGO NA ESCOLA: FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL PREVENTIVA
 
A Fonoaudiologia é uma ciência que estuda a comunicação humana e seus desvios, advindos de problemas orgânicos, emocionais e ambientais.

O fonoaudiólogo é o profissional da saúde, que atua nos níveis de prevenção primária, secundária e terciária (promoção de saúde, diagnóstico, orientação e tratamento) no que se refere à área da comunicação oral e escrita, voz e audição e funções de mastigação, deglutição e respiração. Seu campo de atuação é bastante vasto, podendo abranger: clínicas particulares, hospitais, centros de saúde, indústrias, instituições educacionais, empresas de aparelhos auditivos, artes cênicas, entre outros.

Portanto, a atuação do fonoaudiólogo em Instituições Educacionais tem o caráter preventivo, onde se busca atuar de forma integrada com todos os envolvidos: profissionais, crianças e pais.

É de competência do fonoaudiólogo, na área educacional, desenvolver trabalho de prevenção no que se refere à área da comunicação oral, escrita, voz e audição; participar de equipe de orientação e planejamento escolar, inserindo aspectos preventivos ligados a assuntos da comunicação humana.

Sendo assim, a fonoaudióloga Ms. Mônica Pereira de Oliveira realiza um trabalho voltado para os elementos básicos dentro do OMNI: alunos, pais e equipe pedagógica pois,  a interligação das ações dos profissionais das áreas de saúde, da educação e da família, é de suma importância para o desenvolvimento biopsicossocial da criança.

Com a estruturação do trabalho efetivamente preventivo a proposta da Fonoaudiologia Educacional junto ao CENTRO EDUCACIONAL OMNI (Ensino fundamental I e II) é sempre norteada pelos seguintes objetivos:
 
PARA O ALUNO:

Triagem fonoaudiológica em relação aos aspectos da audição, fala e linguagem, motricidade oral e voz;

Avaliação audiológica como pré-requisito para o aluno ingressar no primeiro ano do Ensino Fundamental (no início da alfabetização) por meio da CAMPANHA PELA SAÚDE AUDITIVA DO ALUNO, intitulada “QUEM OUVE BEM, FALA E ESCREVE MELHOR!”

Encaminhamentos para profissionais afins, quando necessário (fonoaudiólogo clínico, psicólogo, psicopedagogo, neuropsicóloga, médicos neuropediatra e otorrinolaringologista, dentista, entre outros);

Estimulação fonoaudiológica com as crianças em sala de aula, para melhorar a percepção e discriminação auditiva dos fonemas, principalmente, surdos e sonoros, associação fonema/grafema, aquisição e aumento do léxico, desenvolvimento cognitivo, socialização e desenvolvimento psicomotor;

Montar quadro de horários com o (a) aluno (a) para planejar e organizar seu tempo de estudo, quando necessário;

PROJETO SALA DE LEITURA "DA MOTIVAÇÃO A SATISFAÇÃO DO ATO DE LER”.
PROJETO: Técnicas e aperfeiçoamento vocal X emoção no teatro. 

COM O PROFESSOR:

Orientar quanto às etapas do desenvolvimento infanto-juvenil principalmente, nas áreas relacionadas ao aprendizado e/ou aprimoramento das habilidades para a linguagem oral e escrita, vocal, auditiva e motora;

Fornecer estratégias para trabalhar com as crianças com deficiência auditiva, dificuldades de concentração, percepção auditiva e visual, dislexia, TDAH, entre outras.

Acompanhamento das crianças com dificuldades de aprendizagem em relação à  comunicação, por meio de discussões  entre o professor e a fonoaudióloga. 

PARA OS PAIS:

Ministrar palestras, promover reuniões individuais e/ou em grupo, no sentido de abordar temas de interesse que favorecerão uma melhor compreensão em relação ao desenvolvimento normal e/ou alterado da criança, de acordo com a faixa etária;

Orientações quanto às atividades específicas que possam ser acompanhadas pelos pais em casa;

Encaminhamentos para profissionais afins, quando necessário (fonoaudiólogo clínico, psicólogo, psicopedagogo, neuropsicóloga, médicos neuropediatra e otorrinolaringologista, dentista, entre outros). 

PARA O PROFESSOR:

Auxiliar no desenvolvimento das habilidades vocais propondo condutas adequadas como saúde vocal e técnicas vocais. 
COM A EQUIPE PEDAGÓGICA:

Desenvolver trabalho interdisciplinar por meio de estudo de caso, participação em conselhos de classe, planejamento e reuniões de caráter pedagógico;

Discussão de casos de crianças com dificuldades de aprendizagem junto à equipe interdisciplinar;

Montar grupos de estudos, por meio da leitura de textos e troca de experiência, com o objetivo de refletir sobre processo ensino e aprendizagem e as práticas pedagógicas de acordo com cada faixa-etária. 

Vale ressaltar que o Conselho Federal de Fonoaudiologia, por meio da Resolução CFFa (Conselho Regional de Fonoaudiologia) nº 309, de 1º de abril de 2005, normatizou a atuação do fonoaudiólogo na Educação Infantil, nos ensinos Fundamental, Médio e Especial e no Ensino Superior. Esse instrumento nasceu da necessidade de tornar público o assunto e orientar a comunidade quanto às alterações de audição, motricidade oral, linguagem e voz, prevenindo-a. O art. 2º dessa Resolução também diz que “é vedado ao fonoaudiólogo realizar atendimento clínico/terapêutico dentro das instituições de Educação Infantil, ensinos Fundamental e Médio, mesmo sendo inclusivas”.
 
Mônica Pereira de Oliveira
Graduada em Fonoaudiologia; Especialista em Audiologia Clínica e Educacional; Especialista em Psicopedagogia; Especialista em Educação Inclusiva; Mestre em Promoção de Saúde.

Mais  

Voltar ao topo

O que é o CC?

Somos uma organização sem fins lucrativos, que permite o compartilhamento e o uso da criatividade e do conhecimento através de licenças jurídicas gratuitas.

Nossas licenças de direitos autorais são fáceis de usar e fornecem ao autor uma forma simples e padronizada de conceder autorização para que as pessoas possam usar sua obra intelectual (que pode ser desde uma expressão artística até um estudo acadêmico), sempre de acordo com as condições que o próprio autor escolher.

Assim, o autor pode, sem a necessidade de um advogado ou de um intermediário, dizer para todos como a sua obra poderá ser utilizada.

As licenças Creative Commons permitem, por exemplo, que você:

- autorize que as pessoas compartilhem e usem suas fotos, mas sem permitir que empresas possam lucrar com elas;

- acesse materiais de cursos das melhores universidades no mundo;

- incentive que leitores reproduzam os posts do seu blog, desde que eles dêem os créditos;

- encontre músicas para remixar, sem precisar pagar por elas.

Lembre-se: o Creative Commons não realiza registros de obras e não é uma alternativa aos direitos autorais. As licenças Creative Commons baseiam-se no sistema jurídico da propriedade intelectual e então permitem que o autor escolha os termos que melhor o agradem, sem qualquer custo.
 

Sou criador. O que o Creative Commons pode fazer por mim?

Se você quer dar às pessoas o direito de compartilhar, usar e até mesmo criar em cima da obra que você criou, você deveria considerar a publicação da obra com uma licença Creative Commons.

O Creative Commons lhe dá flexibilidade e protege as pessoas que vão usar sua obra, para que elas não precisem se preocupar com violações aos seus direitos autorais, desde que elas obedeçam as condições que você escolheu. Ao mesmo tempo, essas condições são colocadas de forma clara — por exemplo, todas as licenças exigem que o autor seja citado em cada uso futuro –, e de antemão, sem que você precise considerar cada caso individual. Se você quer permitir alguns usos de antemão, mas outros não, esses outros usos deverão ainda ser autorizados caso a caso por você.

Se você está procurando por algum conteúdo que você possa usar de forma livre e legal nas suas criações, existe um enorme número de obras licenciadas em Creative Commons e que permitem derivações. Para procurar obras licenciadas em Creative Commons na Internet, utilize nosso mecanismo de busca.

 

 

Missão e Visão

O Creative Commons quer desenvolver uma infraestrutura técnica e jurídica para maximizar a criatividade, o compartilhamento e a inovação, principalmente no ambiente digital.

Queremos permitir a efetivação o potencial total da Internet (a participação plena na cultura e o acesso universal à pesquisa e à educação), apostando numa nova era de desenvolvimento, crescimento e produtividade, baseada nos valores do compartilhamento e da abertura.

 

 

Por que criar o Creative Commons?

A possibilidade do acesso universal à pesquisa, educação e cultura é consideravelmente ampliada pela Internet, mas os sistemas legais nacionais nem sempre permitem que essa ideia seja  realizada.

Os sistemas de direitos autorais foram criados há bastante tempo antes da Internet e atualmente  acabam por tornar muito difícil de realizar legalmente algumas das ações mais corriqueiras da era  digital, como copiar, colar, editar a fonte e postar conteúdo em um site.

As leis sobre direitos autorais determinam que, em regra, todas essas ações precisam de expressa e prévia autorização por parte do autor da obra. Não importa se você é um artista, um professor, um estudante, um pesquisador, um bibliotecário, um político ou um usuário comum. Assim, o uso de uma obra sem a devida autorização é considerado pela legislação como violação aos direitos autorais, salvo algumas exceções.

Entendeu-se que, para atingir aquela visão de um acesso universal à cultura e ao conhecimento, seria necessário criar e disponibilizar uma infraestrutura gratuita, padronizada e pública que proporcionasse algum equilíbrio entre a realidade da Internet e as imposições excessivas das leis de direitos autorais. É esse papel que cumpre o Creative Commons.

 

 

O que nós fazemos?

A infraestrutura que criamos consiste em um grupo de ferramentas e licenças sobre direitos autorais, permitindo que o tradicional “todos os direitos reservados” seja substituído por “alguns direitos reservados” ou, até mesmo, por “nenhum direito reservado”.

Nossas ferramentas e licenças garantem a todos (desde Criadores Individuais até grandes Companhias, Instituições e Órgãos Governamentais) uma maneira simples e padronizada de manter seus direitos autorais ao mesmo tempo em que permitem certos usos de suas Obras.

A combinação de nossas ferramentas e nossos usuários é uma vasta e crescente concentração de commons digitais, na qual o conteúdo agregado pode ser copiado, distribuído, editado, adaptado e utilizado como base para uma nova criação, tudo dentro das determinações dos direitos autorais e das escolhas dos próprios Autores.

Ou seja, nós criamos a infraestrutura, mas são os autores usuários os próprios responsáveis por construir os commons digitais. Trabalhamos para desenvolver ainda mais a adoção de nossas ferramentas e apoiar nossos usuários com eventuais dúvidas procedimentais, servindo como um gestor eficiente dessa estrutura.